quinta-feira

O Silêncio e a Dor

Não nos faz muito bem namorar silêncios.
Mas quando desenhamos a dor fogem-nos sempre as cores mais primaveris para outros pincéis, e os riscos que nos voam da mão e que nos sobrevoam a tela são em formas de raios saídos de trovoadas.
Nos silêncios apagam-se verbos que engoliriam certezas, dúvidas, afrontas, quedas, humilhações, entronizações, ódios, paixões, uma infinidade de credos ou razões.
A dor, essa, quase sempre se pinta em tons de negro. E muitas vezes de sangue.
Quando o silêncio e a dor se misturam só há lugar para tintas descoloradas que escorrem por entre as vértebras de uma cadeia, onde a noite e o dia, fundidos e amordaçados, se vêem aprisionados sem frestas para respirar.
O silêncio é morte: violência verbal.
O silêncio também é vida: saber calar.
E a dor é um fantasma que o silêncio não consegue ocultar.

17 comentários:

Ser sempre mais! disse...

Olá Fá,
Bem li e reli e acho que tenho que voltar a ler o teu texto.
As palavras ditas e as que ficam escondidas deixaram-me a meditar!
Sabes também gosto de pintar mas nunca pintei a dor... acho que não me faz pintar, a dor é o que é, cada um a vive ao seu jeito, também opto muitas vezes pelo silêncio, refúgio...mas vejo-a sempre como tela em branco em que tenho as tintas e os pinceís na mão para pintar um mundo melhor.
Acredito que a dor também dá espaço para pintar entre o negro ou a ausênsia de cor, uma luz brilhante, pode ser pequenina, mas existe certamente e vai brotar!
O silêncio também pode transformar ou deixar que o amor transforme?!
Não sei, não sei...
Abraços, IDA

antonio - o implume disse...

Sempre hesitei entre o silêncio e a dor... talvez a dor nos dê mais vida.

Eli disse...

Vim inspirar-me aqui...

:)

legivel disse...

... chega-me o primeiro parágrafo: nem namoros, noivados ou casamentos com o silêncio. Dou-me mal com ele (melhor: nunca nos entendemos)e se por acaso, ou distração, deixar de ouvir um ruidozinho que seja, está o caldo entornado.
Mas... e a dormir? perguntarás tu. Não há problema: ressono a noite inteira, alto e bom som.Dizem.
Claro que a dor também se pinta e não tem apenas a ver com a problemática cromática. Por exemplo, uma tela pintada de verde (tida popularmente pela cor da esperança) pode perfeitamente simbolizar a dor. A dor do artista ter esgotado o stock de todas as outras cores...
"Saber calar". Há sempre alguém que se "safa" à pala desta virtude(?!): de não ouvir as palavras certas em tempo oportuno.

Beijos, sorrisos e òptimo fim de semana.

Sara disse...

Tanto a dor, como o silêncio são difíceis de descrever. O silêncio pode ser mortal ou libertador mas a dor é sempre triste. Quando conjugadas podem tornar-se insuportáveis de viver...

Justine disse...

E isso tudo junto - silêncio, dor, morte - afinal, como tu dizes, não passa de vida no seu todo!

tibeu disse...

Olá
Hoje vim pedir para passares por este blog e tentares ajudar a divulgar. Pode ser? . http://umsonhodenatal.blogs.sapo.pt/
Muito obrigada

O Árabe disse...

Assim é. E deles precisamos, para que a Vida se faça entender. :) Boa semana!

D i c a disse...

Se completam.
São a mesma coisa, o silêncio e a dor.
A dor é silenciosa e o silêncio dói.


;*

gabriela rocha martins disse...

mas um dos melhores ,senão o melhor ,paliativo para a dor é o silêncio

que pode ,nem deve ,não ser sinónimo de morte



.
um beijo

Nilson Barcelli disse...

Parabéns pela excelência do teu texto/ponto de vista.
Gostei imenso da tua abordagem e a última frase é de mestre...
Querida amiga Menorzinha, tem um óptima semana.
Beijo.

Chinha disse...

Quando o silêncio se instala as cores da paleta esbatem-se...

E vou escurecendo no prolongamento deles

beijinho

poetaeusou . . . disse...

*
a dor
é o cinzento da vida,
amálgama do negro e branco,
noite e dia,
o breu e a claridade,
,
conchinhas, deixo,
,
*

Å®t Øf £övë disse...

Fá,
É verdade que não nos faz bem namorar silêncios, mas também é verdade que é muito bom namorar em silêncio.
Bjs.

. intemporal . disse...

. do silêncio e dar dor .

. a narrativa maior, perene e presente num verbar assertivo e amplo de voz e de sangue .

. bel.íssimo, Fá .

. um beijo meu .






. paulo .

Francisco Júnior disse...

Muito bonito, um belo texto e uma grande abordagem ao silêncio e à dor!
Passei para deixar um forte abraço de amizade e deparei-me com este belo texto! Obrigado e Parabéns! gostei muito!
Bjs
Vasco

Márcia disse...

A vida dá-nos de tudo, incluvisé muitas dores, mas tb muitas alegrias.

Deixo-te o meu silêncio