quarta-feira

Repetições

Sim, a vida também é feita de repetições.
Há dias de nevoeiro que se fecham em noite; há dias de nevoeiro que se abrem ao sol. E se há dias de nevoeiro que escondem a vida, há também dias de nevoeiro que a desvendam, que dela palpitam.
A vida repete-se todos os dias; em dias de nevoeiro ou em dias de sol; ou de chuva, ou de tempestade, ou de bonança. Todos os dias o sol nasce; todos os dias o sol se põe. As estações sucedem-se umas às outras. Todos os dias se morre; todos os dias se nasce. A vida tira; a vida dá. E até o que se oculta no nevoeiro também dele irrompe inesperadamente, às vezes contra todas as probabilidades.
Luísa viu as repetições acontecerem na sua vida: em si.
Um dia, o nevoeiro cortara-lhe o ar que respirava; mais tarde, um outro dia de nevoeiro devolvera-lhe o ar em tal quantidade que a sufocara. Contra todas as probabilidades, a vida lhe mostrara de novo o amor. Um amor demasiado belo para ser verdade. José Miguel. O aluno daquele semestre que brilhava por entre uma multidão de alunos, como o sol rompendo o nevoeiro.
Demasiado ofuscada, demasiado sedenta, afogara-se nessa fonte de luz, sem conseguir a racionalidade que lhe permitisse manter a distância. Racionalidade é o que não abunda quando o amor e a paixão se fazem urgência. Mais tarde foi tarde demais.

Chegaram as férias e Luísa foi, e não voltou. A dor também se repete, mas desta vez fora uma decisão sua. José Miguel. Pensou sobretudo nele: nunca lhe atrapalharia a vida. Era muito jovem, era homem, como tal seria fácil para ele ultrapassar aquele seu, talvez, devaneio da juventude que era amar a sua professora. Quanto a ela, o que aconteceria a seguir não passaria de mais uma repetição: ser mãe, e pai, outra vez.

29 comentários:

Ives disse...

Olá, repetições, dias de nevoeiros, nostalgias...abraços

AC disse...

Um preço muito alto a pagar por tentar apanhar um pequeno brilho de luz.
Há repetições que são uma espécie de tragédia.

Beijo :)

antonio - o implume disse...

Os olhos também se escondem em nevoeiro; acreditam poupar o coração.

DE MÃOS DADAS disse...

A vida é assim cheia de repetições vestir-se, comer, lavar-se trabalhar, fazer as mesmas coisas claro..."rotinas", o que não deve ser rotina são os erros, mas até aí a tentativa erro pode resultar em algo de bom.
beijinhos da Utilia

Fernanda disse...

Esta Luísa fez o que devia... a que custo???

Ao ler a sua maravilhosa e muitíssimo bem escrita narrativa, lembrei-me do filme, The reader, com o qual Kate Winslet ganhou o Oscar da Academia.
A história tem algo em comum, muito pouco, mas tem.

Escrevi na altura num Blog onde já não estou mais assim - http://cvssemprejovens.blogspot.com/2009/05/reader-o-filme-que-deu-kate-winslet-o.html.

Agora estou só na minha Casa do Rau.

Beijinhos

Fernanda disse...

Olá amiga!

Obrigada pela sua visita e palavras!
Gosto que gostem do meu jardim :)))
Curiosamnete...ou não... relaciono quase tudo o que leio com cinema, livros ou temas musicais (lyrics) que adoro.
Manias? Talvez!!!

Beijinhos

legivel disse...

se a história bem percebo
fez bem Luisa zarpar
Zé Miguel é um mancebo
que tem muito que estudar.

que tem muito que estudar
e da vida apreender
conjugar o verbo amar
não é fácil de saber.

não é fácil de saber
as voltas que a vida dá
o Zé militar vai ser
Luisa vive no Canadá.

Prometi que apenas faria comments em rima mas já estou mais que arrependido; isto é mais difícil que um caso de amor entre uma professora e um aluno...

bjs. e sorrisos.

Fa menor disse...

:))

Obrigada a todos!

Bjos

poetaeusou . . . disse...

*
vividas
repetições, na vida,
,
conchinhas,
,
*

Sinais no Mundo... disse...

Eu Te bendigo, ó Pai, (...) porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes, e as revelaste aos pequeninos» (Mt 11, 25).

Insana disse...

"Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças"
Charles Darwin


Bjs
Insana

. intemporal . disse...

.

. e repito.me aqui ,,, neste página que nos des.venda .

.

. bel.íssimo .

.

. beijo meu .

.

Lilá(s) disse...

Esta narrativa está muito bem conseguida! repetições...é a vida...
Bjs

O Profeta disse...

E eu, neste palco
Pinto mil e uma emoções
Luzes, as pancadas de Molière
O aplauso, tantos sorrisos, contradições

Inquieta alma esta
Vivendo entre a o amor e a dor
Voando para além do sonho
Nas asas de um viajante Açor


Doce beijo

helia disse...

A Vida é realmente feita de repetições , mas há repetições que se devem evitar , quando as anteriores não resultaram e nos deixaram mágoas.
Um texto muito interessante!

uminuto disse...

doloroso esse preço a pagar por se tentar ser feliz, mas na verdade nem sempre aprendemos as lições que a vida nos dá
um beijo e boa semana

O Árabe disse...

Belo e verdadeiro texto. Quando sobra o amor, falta racionalidade. Sempre. :) Boa semana

Nilson Barcelli disse...

Há ciclos com diferentes ritmos.
No fim, bate tudo certo, isto é, morremos todos iguais...
Excelente texto, amiga Menorzinha...
Beijos.

Baila sem peso disse...

Estas "folhas esparsas" mereciam
que eu tivesse mais tempinho
é que a olhar este espacinho
ficou vontade de ler as que já iam :)

Isto de vir a rimar
custa muito a conjugar
já ´tou como o legivel
tira ao contexto o nível :)

mas vou sempre espreitando
mesmo que não comentando:)

beijinhos bailando

ONG ALERTA disse...

Os nevoeiros um dia dissipam, Beijo Lisette

rosa dourada/ondina azul disse...

Um momento um pouco triste,
relatado como um poema!


Beijo, Linda,

e que a Luz brilhe nos dias de nevoeiro!

MAILSON FURTADO disse...

Parabéns belo post!!!

Muito bom!

Acesse meu espaço...
http://mailsonfurtado.blogspot.com

Sorte sempre!

José Sousa disse...

Olá querida amiga bloguista!
Mais uma vez vim ao seu espaço. Gosto do que escreve, e este é mais um dos que gostei.
Nem sempre posso comentár mas leio!

Compareça nos meus e comente:

www.queriaserselvagem.bogspot.com
www.minhalmaempoemas.blogspot.com
www.congulolundo.bogspot.cm
E-mail: kwahta@hotmail.com

Um Abração do tamanho do mundo

so sad disse...

a vda é uma repetição de fatos, devemos portanto parender com eles.
beijo!

Vanuza Pantaleão disse...

Repetem-se, mas o importante mesmo é vivê-las com intensidade, pois sempre restam as lembranças...

Fa, um beijinho nesse coração!!!

João Lenjob disse...

Muito bom!! Gostei mesmo.
Acabei de atualizar o meu, http://lenjob.blogspot.com, com mais cinco poemas e por gentileza não deixe de ir ao blog mais cultural do Brasil, o Castelo do Poeta, http://castelodopoeta.blogspot.com que tem um belo video de uma sambista brasileira na Itália e uma extraordinaria entrevista com a cantora Érika Machado. Se tiver facebook me adicione com este link, http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=100001633062137.
Beijo!!!

João Lenjob

Abajur Desligado
João Lenjob

A tua luz é tão inerte
Pura, minha
Ela me ilumina eternamente
Me cativa suavemente
E nem preciso vê-la
Posso somente senti-la
Posso tê-la sempre
Como um abajur desligado
O teto apagado
E a noite tão escura
Não preciso de outra luz
Preciso somente de teu brilho
E tão precisamente do teu calor
Que me aquece em noites frias
Que me cobre em momentos sós
Como a intensidade de todas as cores
E o teu objeto de tantos amores
A tua presença como de todas as flores.

RETIRO do ÉDEN disse...

Gosto de ler algo que nos incuta força...e essa prof.teve a força necessária para separar as águas.
Quando andamos à deriva, por vezes estragamos a nossa vida e a dos outro/s.
Gostei bastante.
Abraço
Mer

RETIRO do ÉDEN disse...

Só depois de ler o conto anterior, verifiquei que a prof. tinha um passado bem triste...aquele que todos dispensamos que nos aconteça.
Ainda aplaudo mais a atitude de força desta prof. Lindos estes contos, vou passando mais vezes, para me ir actualizando com estas narrativas tão lindas e profundas.
Abraço
Mer

Fa menor disse...

Obrigada a todos pelas palavritas.

A saga continua :)