terça-feira

José Miguel

José Miguel de Andrade Cardoso nascera no Porto numa tarde de Junho de 1984. Um parto difícil, por fórceps, que traumatizou a jovem mãe e a levou a pensar não lhe dar irmãos, não fora a ironia do destino a surpreendê-la novamente poucos meses volvidos.

Manuela de Andrade, que descendia de uma família de brasão, quase obrigara o seu namorado Jorge Cardoso a casar com ela às pressas.
Jorge provinha de uma família simples, e fora seduzido pela menina de família, de modos finos, que o deslumbrara com um mundo tão diferente do seu.
Depois, ela fizera-lhe sentir a sua vergonha ao saber-se grávida e ele cumprira o que lhe prometera, mais cedo do que contava. A juventude e a inexperiência fizeram pouco deles, por duas vezes.

Entre José Miguel e Ana Maria havia apenas a diferença de um ano e alguns dias, e a cumplicidade, talvez mais do que o sangue, a uni-los. Os sorrisos de um eram a alegria do outro, tal como as lágrimas de um eram a dor do outro. Desde cedo, mais entregues aos avós maternos do que aos pais que, achando a sua liberdade tolhida pelos nascimentos dos filhos, não se permitiram dedicar-se-lhes em grande parte, delegando muitos dos seus cuidados naqueles, com quem moravam, os dois irmãos refugiavam-se mais um no outro do que no colo dos avós ou dos progenitores. Frequentaram a escola juntos, até que o percurso académico divergiu. José Miguel estudou sempre no Porto e sentiu demasiado a falta de Ana Maria quando chegou a altura em que ela foi para Lisboa. Sentiu-se desamparado ao faltar-lhe a confidente sempre pronta a ouvi-lo, só a tendo nos poucos fins-de-semana que esta vinha passar com a família. Passou uns maus bocados, com os seus amores frustrados e com a falta da irmã, sem conseguir buscar o apoio no resto da família, mas sobreviveu.
Quando acabou a faculdade, a nova vida profissional de médico dentista levou-o para Coimbra. E é em Coimbra que volta a encontrar Luísa e que lhe sangra o coração outra vez.

17 comentários:

legalmente loira... disse...

bom dia, O teu blog faz-me sentir muito bem. Cada post é como uma flecha, bem fundo. Para além da poesia, a forma como seleccionas cada ilustração / demonstra um profundo amor por aquilo que fazes, para além de uma sensibilidade à flor da pele.
Amo cada detalhe desse blog.
com carinho e bjos.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

gostei do ir e vir das imagens do conto, das pequenas ações que encontravam grandes paixões

Lilá(s) disse...

Por aqui vou lendo lindas histórias veridicas ou de ficção mas que sempre me encantam.
bjs

Kim disse...

A vida tem muitas "estórias" destas. Umas vezes são a sério, outras a brincar.
Muito bem!
Beijinhos Fá (cada vez maior)

poetaeusou . . . disse...

-
tocante,
como sempre !
,
conchinhas sensiveis.
deixo,
,
*

© Piedade Araújo Sol disse...

comovente, e pelo que deduzi, deve ser real..só que fiquei com uma dúvida...

tem continuação?..espero que sim.

bom final de semana

Beij

legalmente loira... disse...

querida fa,
Inventamos nosso proprio palco para representar no nosso maior espetáculo, nossa VIDA!!

Beijos....otimo final de semana....

Barbara disse...

Tempo é talismã.
Estanca.
Mesmo que sufoque, estanca.
Mas não é bom, então, que deixe sangrar.

. intemporal . disse...

.

. minha mãe queria uma menina . nasceu meu irmão .

. minha mãe queria uma menina . oito anos mais tarde tentou.a .

. nasci eu e outro irmão . gémeos .

.

. dos três . todos a fórceps e ainda um destino por alcançar na passagem dos dias efémeros .

.

. um beijo meu .

.

Nilson Barcelli disse...

Este teu belo texto parece o início de um romance. Ou conto grande...
Fico à espera...
Beijos, querida amiga Fá.

O Árabe disse...

Interessante, sim, a facilidade com que narras estas histórias que a vida escreve em nossas vidas. :)

Maria Soledade disse...

FA, um texto belíssimo.Muito bem escrito.Mas, como mulher(curioooosa),gostava que agora engendrasses uma continuação...

Que tal "vermos" como acontecem os partos da Luísa?!

Ele ficará com ela,ou o Miguel,como dentista, irá arranjar uma paciente a quem tem de pôr um aparelho ortodôntico(que leva anos!!)e acaba por apaixonar-se? Sei lá...inventa linda, e dá continuidade a esta estória de amores,desamores,encantos e desencantos...

Muito Bom

Beijinhos em FA MAIOR...

Fa menor disse...

Amigos,
estou a ver que tenho de vos satisfazer a curiosidade... :)

Este texto vem na sequência de outros do separador "Folhas Esparsas" e terá continuação conforme a inspiração me ditar.

Beijinhos todos e
Obrigada pelas vossa palavras

legivel disse...

... espero que a inspiração não te falte nem tarde porque estas folhas esparsas leem-se com muito agrado.
E depois aquele último parágrafo está mesmo a aguçar o apetite.

Beijos e sorrisos.

(Só!!!!!! tenho férias até ao final deste mês. Depois continuo com a minha produção habitual na blogoesfera.)

Vanuza Pantaleão disse...

Adorei, Fa!
És uma excelente contista e toca-nos a sensibilidade.
Beijos, amiga!!!

© Piedade Araújo Sol disse...

vem ver se tinha a continuaçao....

espero com paciencia.

um beij

armalu disse...

Fá seus contos parecem flagrantes da vida real, mas lindos e triste com muitas vidas. bj